Cantor, percussionista, ator, compositor: PEDRO MIRANDA é um intenso artista carioca. Craque nas divisões rítmicas, começou a cantar em rodas de samba nos anos 90, em meio à revitalização da Lapa, e dali se projetou. Já rodou mundo afora com sua voz de timbre único e seu pandeiro, sempre com seu humor cheio de verve, reflexos rápidos e sorriso aberto.

Figura de destaque na cena contemporânea do Rio de Janeiro, Pedro Miranda criou o Samba da Gávea, em junho de 2017, que acontece às segundas, na Da Casa da Táta; o Forró da Gávea, que toda quarta - desde junho de 2018 - lota o Dumont Arte Bar; e deu início em novembro de 2018 ao Gávea Convida Coletivo Choro na Rua, eventos que transformaram o meio cultural da cidade e, em especial, o da Gávea, bairro onde vive o artista. 

Por "Samba Original", seu terceiro trabalho, conquistou o Prêmio da Música Brasileira 2017 na categoria Melhor Disco de Samba. Na mesma premiação, recebeu a indicação de Melhor Cantor de Samba. O segundo álbum, "Pimenteira" (2009), que veio na sequência de "Coisa com Coisa" (2006), arrancou elogios de Caetano Veloso: o artista disse ser "um evento especial em nossa música", "trabalho de fôlego" e "disco de um grande artista". 

Fez parte do Semente por mais de uma década - grupo que tinha Teresa Cristina como cantora - e, também, do Cordão do Boitatá, de tantos shows e carnavais. É ator do consagrado "Sassaricando - e o Rio Inventou a Marchinha", em cartaz desde 2007, e um dos integrantes do grupo musical infantil "Farra dos Brinquedos". É sua a direção musical de "Clementina, Cadê Você", que estreou em 2013. Integra o grupo Samba de Fato, que lançou em 2008 o premiado álbum "O samba Informal de Mauro Duarte". 

Deixou sua marca em discos coletivos, como "O samba é Minha Nobreza", "Lembranças Cariocas", "Samba pras Crianças" e "Lamartiníadas", além de ter gravado em discos de Gilberto Gil, Mario Adnet, Eduardo Gallotti, João Callado, Antonia Adnet, Roberta Sá e Casuarina. É figura requisitada em séries de shows, como "Contos de Areia – 70 anos de Clara Nunes", "Para Sempre Noel", "Alô, Alô, 100 Anos de Carmen Miranda", "Samba & Humor", "Lamartine em Revista", "Ismael Silva: Deixa Falar" e "Onomatopéia Não é Palavrão", todos realizados nos palcos do Centro Cultural Banco do Brasil. Participou dos shows do projeto "Nelson Sargento 90 anos", ao lado do próprio homenageado e do grupo Galo Preto, e de "+ Chico", com o Quarteto do Rio, pelos 75 anos de Chico Buarque, no BNDES, em 2019. E tem mais. Mas isso é só o começo da conversa.